Sexta-Feira Negra

Ela trocar-me por um gajo com mais piada. Depois a minha Mãe apanhar-me num daqueles momentos em que estou a sós com um site de adultos. E finalmente o médico que ontem me fez análises ao sangue ligar-me a dizer que tem de falar comigo pessoalmente. Isso é que seria uma Black Friday. Não é cá esta merda dos descontos.

Papa Francisco

Este Papa Francisco é tão porreiro e tão mundano e tão progressista que qualquer dia apanho-o no Chatroulette.

Hate shack

O Rei morreu

O Cinema King ficava ao lado de casa do meu Pai. De vez em quando, nos Domingos de céu fechado, ia lá ver um filme pedante qualquer. Caía intelectualmente bem numa conversa dizer que no fim de semana tinha visitado o King porque lá nunca se ia ao último do Michael Bay. Não senhor. No King ia-se ao último do César Monteiro, realizador que nunca gostei mas que tinha de dizer que gosto à malta que acha Kubrick demasiado mainstream, só para que ela não me chateasse os cornos quando eu insistia que o "Top Gun" tinha sido uma das melhores coisas a aparecer numa sala de cinema.
Ao que parece o King fechou, ou então está quase para isso. E com ele vão memórias de duas horas semanais quase sempre a levar estuchas de meia noite. Para mim ele era isto, um sítio onde ia buscar pretensiosismo para ter as costas quentes em matérias intelectuais. Vou sentir falta dele. Muito sinceramente, nem sei como é que, a partir de agora, dou o contrapeso ao facto de já ter visto o "Love Actually" umas três ou quatro vezes nos últimos cinco anos.

Estranha escolha

O Kanye e a Kim  fizeram isto aqui à esquerda. E o Franco e o Rogen responderam com aquilo ali à direita. E deve ser a primeira vez que entre gay e straight porn, vou pelo primeiro.

Regresso aos mercados

Não consigo ficar preocupado quando me vêm com a conversa do regresso aos mercados. Noto que me fazem chantagem com isso, que se não trabalhar e se não pagar impostos não regresso aos mercados. Mas não me tira o sono. Há muitas razões para a minha bravura mas vou apontar só uma: não sei de que porra estão a falar. Não sei o que é um regresso ao mercado. Pelo semblante negativo com que falam do assunto, sinto que é perigoso se não regressar, mas regressar a quê, não faço a ideia. Já li que se não houver cortes nas pensões não regressamos aos mercados, que os chumbos do Tribunal Constitucional nos podem comprometer o regresso aos mercados, que o não cumprimento do programa de Governo põe em causa o regresso aos mercados, e isto soa tudo a problema tramado de resolver, só não sei porquê. Para mim, regresso aos mercados seria um bom título para uma sequela de um filme com o título original de "Mercados", embora isso não encaixe no contexto das notícias impressas no jornal. Sinto que devo festejar quando o mercado estiver em vias de regressar, mas é um pouco como celebrar a pontuação de um jogo de curling, onde não sei o que se passou nem quem ganhou. E se me perguntarem se quero regressar aos mercados eu até posso dizer que sim, mas que queria mais uma coca-cola.
Espero mesmo que Portugal regresse aos mercados. Só para perceber o que isso é.

Sobre o Post do Rock in Rio

Ando há quase um ano sem escrever e a curiosidade fez-me vir a este espaço ver se ainda tinha visitas. E tem. Mais do que o normal. Por vezes supera a casa das cem. Tudo porque este texto, sobre um pretenso cartaz do Rock in Rio de 2014, está a fazer furor. Engraçado é que a vasta maioria das pessoas não o entende como uma rábula mas sim como o verdadeiro cartaz para o ano que vem. É mirar os comentários. Valem todos a pena. Não são rábulas, como o texto, mas têm todos muita piada, bem mais do que aquela que eu tive quando escrevi o post.
De uns leitores que pedem os Evanescence – banda de goth metal que andou na berlinda num ano qualquer da década passada e que muito me surpreendeu por ainda fazer parte da Existência – até outros que clamam habilmente que este não é o site oficial do Festival Rock in Rio, há um que se evidencia quando afirma, com alguma relutância, que acha que os Beatles já não existem.

Em cadeia

Um imposto é uma coisa que me é imposta. Nesse sentido, gramar com opiniões de gente que não sabe o que diz, é um imposto. E também nesse sentido, os impostos estão realmente a aumentar.

Deputada da desbundada


Diz-se que, na vasta maioria dos casos, as pessoas não votam numa ideologia, nem num programa, nem numa competência. A verdade é outra. A malta vota, e isto já foi perguntado em alguns inquéritos, no candidato com quem se viam a tomar um copo. E o PS bem podia promover a Glória Araújo a Secretária-Geral do partido, que o Seguro tem cara de quem acha que Guinness não passa do sítio onde se anotam recordes do mundo.

O Trobadores não fica de fora no tema Pepa

Já reparei que qualquer blog actual dedica pelo menos um centímetro quadrado do seu espaço ao tema da Pepa. Como não quero que este se paute pela diferença, resolvi juntar-me à maralha e dizer, um pouco à margem dos textos idealistas que tenho lido, que a gaja até marchava.